Perguntas Frequentes

 

 

P:   Ocorreu o óbito de um familiar, o que eu faço?

 

R: Nossa empresa atende a família enlutada desde o momento do óbito até o sepultamento. Assim, a família deve entrar em contato com a empresa logo após o óbito e providenciaremos toda a documentação necessária e todos os preparativos para o cerimonial de despedida (velório).


 

P:   Quais os documentos necessários para o registro do óbito no Cartório de Registro Civil?

 

R: A família precisa da declaração de óbito, da certeira de identidade do falecido, CPF, Certidão de Casamento ou nascimento, e Cartão de benefício de INSS. A Funerária São Sepé sempre informará a família e sempre auxiliará na documentação.


 

P:   Se não tiver todos esses documentos necessários posso registrar o óbito mesmo assim?

 

R: Pode. Porém a certidão de óbito ficara incompleta, mas não há nenhum problema.


 

P:   Ocorrendo o óbito em outra cidade podemos acionar a empresa para atender?

 

R: Sim. Atendemos São Sepé e região. Não cobramos traslados do corpo para as cidades vizinhas como Vila Nova do Sul, Santa Maria, Formigueiro, Restinga Seca e Caçapava do Sul. Nossa empresa é credenciada para fazer remoção de cadáveres em todas as cidades.


 

P:   Em caso de morte violenta como suicídio, homicídio ou acidentes o que devo fazer?

 

R: O primeiro passo nestes casos é acionar a Polícia Civil ou Brigada Militar. Porém se a família acionar nossa empresa prestaremos toda a assistência junto a Polícia Civil, Instituto Geral de Perícias e Instituo Médico Legal.


 

P:   Em toda a morte violenta é necessária necropsia?

 

R: Sim. A perícia do local do óbito pode ser dispensada pela autoridade policial, porém a necropsia é obrigatória em todos os casos de morte não natural.


 

P:   Posso acionar qualquer funerária para remoção de corpos em mortes não naturais?

 

R: Não, a Funerária São Sepé é a única empresa da cidade credenciada para remoção e traslado de cadáveres vítimas de morte violenta para o IML. Este serviço é gratuito e fucniona através de convênio com o Sindicato das Empresas Funerárias do Rio Grande do Sul e o governo do Estado.


 

P:   Em caso de morte súbita ou fora de hospitais é necessário acionar a polícia?

 

R: Não. Através de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) feito entre o Ministério Público de São Sepé, Hospital Santo Antônio e as empresa funerárias de São Sepé o médico plantonista do hospital fornecerá a declaração de óbito, ainda que com causa desconhecida.


 

P:   Posso fazer orçamento ou contratar a empresa antes de ocorrer o óbito de meu familiar?

 

R: Sim. Em torno de 30% dos serviços prestados as famílias já deixam o funeral contratado, sem custo nenhum e sem qualquer compromisso caso não ocorra o óbito. Isto é comum quando os médicos dizem às famílias para se prepararem, pois infelizmente o seu ente querido não sobreviverá a enfermidade.


 

P:   Em casos de acidente de transito que ocorra morte a família tem direito a indenização DPVAT?

 

R: Sim. A Funerária São Sepé trabalha com Assessoria Jurídica própria feita pelo proprietário que providencia o recebimento da indenização e o pagamento dos serviços prestados fica suspenso até o recebimento da indenização.


 

P:   Como funciona o convênio do Montepio da Brigada Militar?

 

R: O MBM não faz mais convênios com funerária, o pagamento do auxílio funeral é feito direto a família. Porém nossa empresa auxilia no encaminhamento do seguro e suspende o pagamento do funeral até a família receber o auxílio funeral.


 

P:   Posso acionar a empresa a qualquer hora de qualquer lugar?

 

R: Sim. Basta informar o nome do falecido e o local do falecimento que nossa empresa irá até você.


 

P:   Quanto tempo a família tem para registrar o óbito?

 

R: O óbito deve ser registrado imediatamente após o óbito, na impossibilidade de fazê-lo nas 24 horas após o óbito, a família tem até 15 dias para registrar o óbito, a contagem do prazo começa no dia do óbito e encerra no 15.º dia independente se esse dia for feriado ou não. se for feriado a família deve registrar antes do término do prazo. Após esse prazo somente será registrado através de ação judicial. Lei 6.015/73.